EnglishPortugueseSpanish

Dando um Jeito de Esconder o Mal Feito

Ontem nós vimos o Supremo Tribunal Federal julgar o indulto de natal do presidente Michel temer, o qual havia sido cancelado pelo ministro Barroso no ano passado, pelo fato de que ele colocava em liberdade os políticos corruptos presos.

Ontem nós vimos o Supremo Tribunal Federal julgar o indulto de natal do presidente Michel temer, o qual havia sido cancelado pelo ministro Barroso no ano passado, pelo fato de que ele colocava em liberdade os políticos corruptos presos.

 

O indulto de Temer não seguiu o padrão de 30 anos de democracia, alterando os critérios para concessão de liberdade, a fim de favorecer os políticos presos.

 

Durante o julgamento, presenciamos alguns ministros fazendo malabarismos jurídicos a fim de aprovarem o indulto e soltarem mais de 20 corruptos presos. Foi patético e até constrangedor, ver Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Ricardo Lewandovski atuando em favor de corruptos.

 

No momento em que o ministro Fux pediu vistas do processo, interrompendo a aprovação certa do indulto que estava sendo dado aos corruptos, assistimos perplexos à tentativa de rasgar o regimento interno do STF a fim de, mesmo com pedido de vistas, aprovarem, pelo menos, a soltura dos corruptos.

 

Obviamente, tudo travestido de legalidade, de interesse público.

 

Havia pressa dos ministros para soltarem os políticos presos. Tem muitos ministros devendo favores a políticos, tem muitos com o pescoço na forca pelos crimes que cometeram e que podem ser delatados pelos que estão presos.

 

Embora fiquemos perplexos e envergonhados com essa atitude, talvez só fiquemos assim por se tratar de outros! Sim, é comum sairmos atrás de soluções, de argumentos, de racionalizações, para encobrir o mal feito.

 

Se precisamos esconder alguma coisa errada, damos a volta ao mundo para encobrir. Se precisamos justificar o injustificável, criamos argumentos em nosso favor ou em favor da causa que defendemos.

 

Enfim, não somos diferentes dos excelentíssimos ministros do STF.

 

O chamado do Evangelho é para que nossa vida seja reta, podendo ser exposta à luz do dia e da verdade; assim, não precisaremos nos defender de nada.

 

E, havendo necessidade de defesa por algum erro cometido, a melhor sempre será pedido de perdão e disposição de corrigir o mal feito.

LEIA TAMBÉM:

As Mídias Sociais na Campanha Política
Caráter na Política

 

Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
adailtoncesar

adailtoncesar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cADASTRE-SE!